Cada vez mais falamos e ouvimos sobre o alto índice de feminicídio no Brasil, mas no que difere do homicídio e porque isso é um problema socioeconômico?

Sim, a taxa de homicídio é maior do que a de feminicídio e a diferença entre eles está na causa e localização. Enquanto o homicídio ocorre em áreas externas e o agressor é geralmente desconhecido da vítima, o feminicídio ocorre em ambiente privado e a vítima sempre conhece o assassino pois é seu parceiro ou ex.

O feminicídio é sempre precedido de violência na forma verbal, psicológica e/ou física. É um termômetro. Para cada mulher vítima de feminicídio muitas outras são vítimas de outras formas de violência por anos a fio. A ONU estima que uma a cada três mulheres no mundo sofre ou sofrerá violência em algum momento da vida.

No assustador ranking de feminicídio, o Brasil ocupa a 5ª colocação. Duas a cada cinco mulheres mortas estavam em algum país da América Latina. Não é uma coincidência que os países com maiores PIB’s do mundo não estejam por aqui, a violência contra mulher tem um custo alto, entre gastos com saúde pública, abstencionismo e orfandade; a violência contra mulher custa para os países cerca de 2% do PIB Global, de acordo com a ONU.

Se você acha que não vai acontecer com você (ou alguma amiga/familiar sua) saiba que esse crime é bem democrático, pode acontecer em qualquer bairro da cidade.

A violência contra mulher é um tema de negócio porque é um tema da sociedade. Não é apenas um problema de mulheres e necessita de engajamento de todos. Não é à toa que as empresas consideradas como melhores lugares para se trabalhar são empresas que se preocupam com o índice de assédio contra mulheres, e assim se tornam também mais produtivas.

A denúncia da violência contra mulher pode ser feita anonimamente por qualquer pessoa por meio do número 180. Sim, a vítima pode levar anos para denunciar (e até mesmo nunca o fazer), mas antes de julgá-la pensemos que a omissão nos torna cúmplices.

Se você ainda acha que não pode fazer nada, comece ao menos sendo gentil com a próxima mulher que cruzar seu caminho, porque possivelmente ela sofreu alguma violência, algum pré-julgamento ou alguma insinuação nesta semana e nem se deu conta.

#Pracegover #Pratodosverem na imagem, temos a mão de uma mulher aberta, com sinal de proteção a algo. O artigo do Linkedin trata sobre o assunto do feminicídio no Brasil e por que é um ponto de atenção/preocupação.

#IdisSeguros #SegurosPelaDiversidade #TodosPelaDiversidade #PorUmMundoMelhor #diversidadeeinclusão #diversidade #inclusão #EmpoderandoPessoas #EmpoweringPeople #Diversity #Inclusion #AllOfUsForDiversity #AllOfUsForInclusion

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2020 Idis - Instituto pela Diversidade e Inclusão no Setor de Seguros | by Cloudbe

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?